Jump to content

CasaBlanca

Members
  • Content count

    1
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Comum

2 Followers

About CasaBlanca

Recent Profile Visitors

197 profile views
  1. CasaBlanca

    Crack

    Na Cracolândia.
  2. CasaBlanca

    Ebook

    PREVENÇÃO DE ACIDENTES Acidente é um acontecimento inesperado, que pode ser ocasionado por falha humana – negligência, imperícia, imprudência, etc. –, falha mecânica – quebra de componente importante do veículo – ou ainda pela má condição das vias – buracos, poças de água, falta de sinalização, etc. Existem procedimentos que, quando praticados conscientemente, ajudam a prevenir ou evitar acidentes, desde que conheçamos os fatores que mais levam à sua ocorrência (falta de visibilidade, conhecimento de preferenciais, desobediência às leis de trânsito e à sinalização) e os tipos de colisão. DIREÇÃO DEFENSIVA 101 Com o objetivo de evitar um acidente que lhe foi apresentado durante o percurso, é decisivo que o condutor ajuste sua velocidade de acordo com o raio visual disponível. Após o obstáculo se tornar visível, o condutor o detecta e o identifica (reconhece), completando assim a etapa de percepção. Logo a seguir, decide sobre o que fazer (decisão) e executa alguma intervenção (ação). O tempo despendido pelos motoristas desde a percepção de um obstáculo súbito até o acionamento dos freios é em torno de 1,5 segundo, o que leva a afirmar que é preciso mantar uma distância segura do outro veículo e estar sempre muito atento. Mas qual é a distância segura? É aquela que permite parar, mesmo numa emergência, sem colidir com o outro veículo, pedestre ou qualquer objeto na via. Saber se estamos a uma distância segura dos outros veículos irá depender do tempo (sol ou chuva), da velocidade, das condições da via, dos pneus, do freio, da visibilidade e da capacidade de reagir rapidamente. DIREÇÃO DEFENSIVA 102 Existem tabelas e fórmulas para calcularmos essa distância, principalmente nas rodovias, mas como elas variam muito, e dependem também do tipo e peso do veículo, o melhor é manter-se o mais longe possível (dentro do bom senso), para garantir a sua segurança e a dos outros. Para manter uma distância segura entre os veículos nas rodovias, sem utilização de fórmulas ou tabelas, veja como usar um ponto de referência fixo e calcular essa distância: • Observe a estrada à sua frente e escolha um ponto fixo de referência – uma árvore, placa, poste, etc.; • Quando o veículo que estiver à sua frente passar por esse ponto, comece a contar pausadamente: cinquenta e um, cinquenta e dois, cinquenta e três; • Se você passar pelo ponto de referência antes de contar cinquenta e três, aumente a distância, diminuindo a velocidade para ficar em segurança; • Se você passar pelo ponto de referência após ter contato cinquenta e DIREÇÃO DEFENSIVA 103 um, cinquenta e dois, isso significa que a sua distância é segura; Essa dica ajudará a se manter longe o suficiente dos outros veículos em trânsito, possibilitando fazer manobras de emergência ou paradas bruscas necessárias, sem perigo de colisão. A contagem só é válida para veículos pequenos – até seis metros – e mostre a velocidade de 80km e 90km, em condições normais de veículo, tempo e estrada. Para evitar ou minimizar os acidentes, use o sinto de segurança, que evita a projeção da pessoa para fora do veículo, choque com volante, painel ou para-brisas. • Cinto subabdominal (impede o lançamento do usuário para fora do veículo, aumenta em 33% a chance de sobrevivência da vítima, mas não evita lesões de tórax e cabeça decorrentes da projeção do corpo para frente); • Cinto diagonal (impede que o corpo seja projetado para frente, aumenta em 44% a chance de sobrevivência da vítima, mas não evita lesões nas pernas, coluna e pescoço decorrentes de o corpo escorregar por baixo do cinto); DIREÇÃO DEFENSIVA 104 • Cinto de três pontas (considerado o mais seguro, evita a projeção da pessoa para fora do veículo ou que esta escape por baixo do cinto, ou mesmo o choque interno no veiculo: aumenta em 57% a chance de sobrevivência da vítima). O cinto de segurança também deve ser utilizado por: • Crianças (que se tiverem menos de 10 anos precisam ser transportadas no banco traseiro do veículo ou se forem pequenas em cadeiras especiais); • Grávidas (que devem ajustar a parte horizontal por baixo da barriga e a diagonal pelo ombro, não pressionando o bebê). CONHECENDO OS TIPOS DE COLISÃO Conhecer os tipos de colisões “tradicionais”, e como evita-las, também ajuda a diminuir o número de acidentes. Colisão com o veículo da frente: é a mais comum. A surpresa é o elemento causador dos acidentes dessa natureza. DIREÇÃO DEFENSIVA 105 Sugestões para evitar situações de perigo: • Nunca desvie a atenção do condutor da frente, pois luz de freio, seta, pisca-pisca, sinalização com braços, etc., podem indicar o que ele pretende fazer; • Controle da situação: procure ver além do veículo da frente. Verifique a distância e o deslocamento do veículo de trás e ao seu lado; • Mantenha a distância: não guardar distância segura lateral ou frontal com os demais veículos, bem como em relação ao bordo da pista, resulta em multa (Art. 192 – infração grave); • Comece a parar antes: se necessário pise no freio imediatamente ao avistar algum tipo de perigo, mas pise aos poucos para evitar derrapagens ou parada brusca; • Trafegue em velocidade compatível com a pista e o momento. Colisão com o veículo de trás: motivada por motoristas que dirigem “colados”. Dirigir sem atenção ou sem cuidados com a segurança resulta em multa (Art. 169 – leve). DIREÇÃO DEFENSIVA 106 Sugestões para evitar situações de perigo: • Planeje o que vai fazer: conheça o percurso, planeje seu trajeto para evitar manobras bruscas; • Sinalize suas atitudes: informa corretamente e em tempo necessário. Certifique-se que todos viram e entenderam a sinalização; • Pare aos poucos: livre-se dos “colados” à sua traseira. Forneça a ultrapassagem aos apressadinhos, deixando que o ultrapassem com segurança. Colisão frente a frente: dos piores tipos de acidente, pois a colisão acontece na soma da velocidade dos dois veículos. Vários fatores ocasionam esse tipo de acidente: ingestão de bebidas alcoólicas, excesso de velocidade, dormir no volante, problemas com o veículo, distração do condutor, ultrapassagem perigosas – todos derivados do descumprimento das leis de trânsito ou normas de direção defensiva. DIREÇÃO DEFENSIVA 107 Sugestões para evitar situações de perigo • Ultrapassagens perigosas: evite ultrapassar em locais de pouca visibilidade. Verifique se o outro condutor já iniciou a ultrapassagem e aguar outro momento. Antes de iniciar a ultrapassagem não “cole” no veículo da frente para não perder o ângulo de visão; • Cuidado com as curvas: reduza a velocidade. O tipo de pavimento, o ângulo da curva, as condições do veículo e do condutor são fatores que podem determinar a saída do veículo da faixa; • Atenção nos cruzamentos: espere com calma e só realize a manobra em locais permitidos. Observe o semáforo ou a preferência de passagem no local. Colisão com pedestres: são imprevisíveis. Dê-lhes sempre o direito de passagem. Lembre-se de que não reduzir a velocidade próximo a escolas, estações de embarque e desembarque de passageiros, hospitais ou onde houver intensa movimentação de pedestres resulta em multa (Art. 20 – gravíssima). Também é preciso dar atenção especial aos idosos, crianças e portadores de necessidades especiais (Art. 214 – gravíssima). Lembre-se: quando houver faixa de pedestres sem sinal luminoso, a preferência é do pedestre. DIREÇÃO DEFENSIVA 108 Sugestões para evitar situações de perigo • Seja gentil e facilite a vida do pedestre, sempre que possível; • Tente prever a reação do pedestre; • Lembre você também é pedestre e poderá ser vítima da intolerância de outros condutores. Colisão com animais: choque com animais, mesmo pequenos, sempre traz consequências e pode causar um acidente de grandes proporções. Falta de golpe de vista, cansaço e sono são os principais causadores desse tipo de acidente. Sugestões para evitar situações de perigo • Diminua a velocidade assim que perceber a existência de um animal na pista; • Não buzine para não assustá-lo; Colisão de trens: ocorre por falta de atenção ou pressa do condutor. Não parar o veículo antes de cruzar a linha férrea resulta em multa (Art. 212 – gravíssima). DIREÇÃO DEFENSIVA 109 Colisão com bicicleta: a maioria dos ciclistas é composta por menores ou por pessoas que desconhecem as leis de trânsito. Por ser um veículo não motorizado, tem preferência sobre os demais veículos automotores. Certifique-se de que o ciclista o viu e entendeu sua sinalização, e cuidado com as manobras ou ao abrir a porta do veículo. Sugestões para evitar situações de perigo • Mantenha distância lateral de 1,5 metro; • Cuidado com os pontos cegos; • Avise sua proximidade com leves toques de buzina. Colisão com motociclistas: por serem de menor porte, usufruem das vantagens previstas na lei em relação aos veículos de maior porte. Sugestões para evitar situações de perigo • Aumente a distância entre você e eles e, na ultrapassagem, mantenha a mesma distância e faça os procedimentos como se estivesse ultrapassando um carro; DIREÇÃO DEFENSIVA 110 • Cuidado nas conversões, pois os motociclistas costumam transitar nos pontos cegos; • Cuidado ao abrir as portas do veículo quando estiver estacionado ou parado em congestionamentos. Existem colisões nas quais é difícil identificar a causa. Estas são denominadas de colisões misteriosas e envolvem, na maior parte das vezes, somente um veículo (porem são seguidas da morte do condutor ou do passageiro no local do acidente), aliado aos seguintes elementos: • Condições de via (buracos, óleo ou areia na pista, desníveis, lombadas, poças de água, etc.), responsáveis pela perda do controle de veículo e projeção deste em obstáculo fora da pista ou contramão; • Condições climáticas acompanhadas de falta de adaptação do condutor e essas condições adversas; • Condições de conservação do veículo (pneus lisos, sinalizadores queimados, freios mal regulados, limpadores de para-brisa defeituosos); • Estado físico e mental do motorista (efeitos decorrentes do álcool, medicamentos, drogas, sono, estresse, etc.). DIREÇÃO DEFENSIVA 111 OUTROS FATORES CAUSADORES DE ACIDENTES Ingestão de bebidas alcoólicas Nunca é demais lembrar que um dos fatores que mais causam acidentes de trânsito é a ingestão de bebidas alcoólicas. Praticamente 75% dos acidentes que acontecem no Brasil estão associados ao seu uso. São acidentes que, normalmente, acabam em capotamento e colisão – o que demonstra que o condutor estava em alta velocidade no momento em que perdeu o controle do veículo. Sono Dirigir com sono é outro grande perigo no trânsito. Motoristas profissionais, como os caminhoneiros, são os principais responsáveis pelo porte e pelo peso dos seus veículos. Mas isso pode acontecer com qualquer um, portanto, é importante parar imediatamente ao perceber que está ficando sonolento. Dê um cochilo de uns 30 minutos (nunca no acostamento) e se sentirá melhor. Se isso não for possível, café ou refrigerante que contenham cafeína podem mantê-lo alerta por mais algum tempo. Mas lembre-se que esses estimulantes não resolvem o problema: você precisa mesmo descansar! DIREÇÃO DEFENSIVA 112 O motorista que dirige de forma defensiva procura se cercar de todos os cuidados na condução do veículo. Ele sempre pensa no trânsito de forma coletiva, deixando de lado seus interesses particulares. O mais importante é que todos que usufruem das vias públicas devem ter respeito pelo principio de vida em sociedade. Sinal vermelho para o perigo Muita gente considera que os acidentes são acontecimentos fortuitos, que ocorrem ao acaso e, por isso, pouco pode fazer para preveni-los. Mas, se observarmos bem, a maioria dos acidentes não ocorreria se as pessoas estivessem alertas às providências adequadas para evitá-los. Especialistas dizem que a melhor forma de enfrentar um acidente é pela prática da prevenção. Devemos procurar afastar todas as condições de risco e assim evitar que os acidentes aconteçam. Inegavelmente, o automóvel entrou de vez em nosso cotidiano, facilitou a nossa vida e ampliou os limites de nossos mundos particulares, abrindo possibilidades de viagens, descanso e conhecimento de pessoas diferentes. Entretanto, passa praticamente despercebido o fato de que, atualmente, os acidentes de trânsito se tornaram um dos maiores DIREÇÃO DEFENSIVA 113 problemas de saúde pública. Parece que estamos nos acostumando a tal ponto com eles que já vemos como acontecimentos naturais. Em várias circunstancias, ficamos tão impressionados com os aspectos que particularizam alguns desses acidentes que até nos esquecemos de como suas consequências são dolorosas e trágicas para o acidentado, sua família e a sociedade. Muitas pessoas comparam, e com razão, as perdas de vidas e as lesões e incapacitações provocadas pelos acidentes de trânsito com aquelas resultantes de uma guerra. Talvez eles sejam até piores, porque nas guerras existem períodos de paz e trégua. No mundo atual, predominantemente, os acidentes de trânsito são um das principais causas de morte e de perda total ou parcial, momentânea ou permanente, da capacidade de produção de homens adultos com idade entre 20 e 40 anos, ou seja, a população masculina jovem e em plena atividade produtiva. Só esse aspecto já caracteriza a sua gravidade, pois afeta não só os acidentados e suas famílias, mas também toda a economia do país. DIREÇÃO DEFENSIVA 114 Além do sofrimento humano decorrente da perda de vidas, dos dolorosos ferimentos físicos e mentais, da incapacitação física ou mental e das consequências diretas na produção econômica do país, os acidentes de trânsito acarretam um prejuízo na economia nacional. Uma verdadeira fortuna poderia estar sendo aplicada na melhoria das condições de vida dos brasileiros, no entanto, somos um país em que os acidentes representam o segundo maior problema de saúde pública, só perdendo para a desnutrição. Os acidentes de trânsito não são fatos naturais, não precisam ocorrer e podem ser prevenidos com medidas simples e fáceis que envolvem mudanças de mentalidade e comportamento. A melhor maneira de evitar a ocorrência de acidentes é por meio de uma educação permanente que mobilize e transforme os indivíduos, modificando-lhes as motivações, atitudes e comportamentos. Só uma educação continuada possibilitará que as pessoas possam viver em cidades mais organizadas e num ambiente urbano de melhor qualidade. noções de primeiros socorros NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 116 Se todos soubessem noções básicas de primeiros socorros, muitas vidas poderiam ser salvas. Prestar auxílio em momentos de perigo é um gesto necessário. Mas não basta ter boa vontade. É preciso que esse gesto seja feito de forma consciente, a fim de evitar riscos ainda maiores. Pra isso servem as técnicas de primeiros socorros. Prestar socorro é antes de tudo um ato de solidariedade. Você é muito importante. Os primeiros instantes após a ocorrência do acidente de trânsito são fundamentais para o destino das vítimas. Mas atenção: seu papel primordial nessa prestação de socorro é o de proteger a vida do acidentado e reduzir o seu sofrimento, deixando-o em condições de aguardar o atendimento médico especializado adequado. É válido prestar os primeiros socorros quando a vítima não estiver em condições de cuidar de si própria, só que a grande maioria das pessoas não sabe ou tem dúvidas de como proceder nesse atendimento: por esse motivo devem aprender a prestar socorro corretamente. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 117 O atendimento de emergência é realizado por um profissional chamado socorrista. Quem possui apenas o curso básico de primeiros socorros é chamado de atendente de emergência. Devemos sempre que possível optar pelo atendimento do socorrista, devido a sua qualificação. O atendimento de emergência sem o uso adequado de técnicas corretas, e sem nenhum conhecimento, pode prejudicar a vítima, causando-lhe danos irreversíveis ou até mesmo a morte. Omissão de socorro Segundo o art. 135 do Código Penal, a omissão de socorro consiste em: “Deixar de prestar socorro à vítima de acidente ou pessoa em perigo iminente, podendo fazê-lo, é crime”. Pena: detenção de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa. Parágrafo único: A pena é aumentada de metade, se a omissão resulta em lesão corporal de natureza grave, e triplica, se resulta em morte. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 118 Importante: o fato de chamar o socorro especializado, nos casos em que a pessoa não possui um treinamento específico ou não se sente confiante para atuar, já descaracteriza a ocorrência de omissão de socorro. Mesmo sendo apenas testemunhas de um acidente com vítimas, se tivermos condições de prestar auxílio e não o fizemos, estaremos cometendo o crime de omissão de socorro. Primeiros socorros são procedimentos de emergência que visam manter as funções vitais e evitar o agravamento de uma pessoa ferida, inconsciente ou em perigo de vida, até que receba assistência qualificada. Primeiras atitudes: em locais de acidente é muito comum vermos cenas de sofrimento, nervosismo e pânico, pessoas inconscientes e muitas outras situações que exigem atitudes imediatas. Não importa a situação, devemos agir com muita calma, conhecimento e muita frieza, evitando principalmente pânico. Nosso papel primordial nessa prestação de socorro é o de proteger a vida do acidentado e reduzir o seu sofrimento, proporcionando-lhe condições de aguardar p atendimento médico especializado adequado. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 119 É importante que saibamos manter a calma. O bom senso evita a tomada de atitudes impulsivas e a realização de manobras de salvamento com pressa, de forma imprudente. Como se diz no meio: ”seja socorrista e não herói”. Às vezes se faz necessário improvisar, mas mesmo essa decisão deve estar baseada em bom senso. Ao prestar socorro, é fundamental ligar ao atendimento pré-hospitalar de imediato ao chegar ao local do acidente. Alguns números de telefones são os mesmos em todo o Brasil: • 190 - Polícia Militar • 191 - Polícia Rodoviária Federal • 192 - (SAMU) Serviço de Atendimento Móvel de Urgência • 193 - Bombeiros Obs: Coloque em seu carro, no porta-luvas, por exemplo, o número do telefone de emergência de sua cidade. Sempre verifique se há riscos no local, para você e sua equipe. Procure agir com bom senso, mantendo o espírito de liderança, pedindo ajuda e afastando os curiosos. Distribuir tarefas ás pessoas que poderiam atrapalhar irá ajudar e elas poderão se sentir mais úteis. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 120 Dê preferência ás vítimas que correm maior risco de morte, como, por exemplo, nos casos de parada cardiorrespiratória ou quando estiverem sangrando muito. Sinalizando o local do acidente: • Durante o dia: • Estacione o automóvel fora da faixa de rodagem, depois do local do acidente,, devidamente assinalado com as luzes de presença e o pisca alerta ligado; • Sinalização do local do acidente: • Coloque o triângulo sempre na vertical, em relação ao pavimento e ao eixo da faixa de rodagem a, pelo menos, 30 metros do veículo ou carga similar. O Triângulo tem de ser visível a 100 metros de distância; • Perto do triângulo deve estar alguém com lanterna ou com colete refletor para abrandar o trânsito; • Avalie a segurança do local do acidente e do sinistrado; NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 121 • Peça a alguém que se certifique que nenhuma vítima foi jogada para fora do veículo ou tentou mover-se sozinha; • Pequenos focos de incêndio podem ser apagados com um extintor com areia ou terra (nunca com água, pois ela espalha o combustível). • Ver o estado do automóvel de modo que não ocorra outro acidente: • Desligue a ignição; • Desligue a bateria; • Puxe o Freio de mão; • Coloque calços nas rodas para que não haja deslocamento do veículo. • Não mexa no carro nem nas vitimas: • Caso não consiga afastar o perigo iminente que o veículo está apresentando, afaste a vítima do perigo (só como último recurso e se a vítima correr risco de morte) por arrastamento. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 122 • Durante a noite: Os procedimentos são os mesmos, com o carro do socorrista sendo estacionado antes do local do acidente, com os faróis ou lanternas acesas. • Atenção nunca é demais: Toda rodovia possui um número próprio para emergência. Ao rodar pelas rodovias preste a devida atenção e anote o número. As ligações de emergência podem ser efetuadas de qualquer telefone. Não é necessário usar cartão ou ficha telefônica. A ligação é gratuita. Obs.: Algumas rodovias possuem call-boxes – pequenas cabines com telefone de emergência – instalados ao longo do trajeto, pelas concessionárias. • Devemos informar: • O local exato do acidente; • O tipo de acidente; • Descrição das vítimas (sexo, idade); • Se há vitimas inconscientes; • A gravidade dos ferimentos. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 123 • Quando o socorro chegar, informe ao socorrista: • As condições do trânsito no local; • A descrição da ocorrência; • O que foi aplicado nos primeiros socorros; • Alguma outra informação que tenha chegado ao seu conhecimento. • Descrição das vítimas (sexo, idade); • Se há vitimas inconscientes; • A gravidade dos ferimentos. • Quando o socorro chegar, informe ao socorrista: • As condições do trânsito no local; • A descrição da ocorrência; • O que foi aplicado nos primeiros socorros; • Alguma outra informação que tenha chegado ao seu conhecimento. IMPORTANTE: Nunca esqueça que você deverá se proteger contra a transmissão de doenças infectocontagiosas. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 124 Use luvas de borracha, evite se ferir durante o atendimento. Não leve as mãos á boca e aos olhos, sem antes lavá-las com sabão e água corrente. A transmissão de doenças é facilitada pela existência de ferimentos na pele e em mucosas nas pessoas que estão no papel de socorristas. TIPOS DE ACIDENTES 1-Colisões Uma colisão representa três situações diferentes ocorridas ao mesmo tempo: • A colisão do veículo; • A colisão do ocupante contra o interior do veículo; • A colisão dos órgãos internos do ocupante. Dentro do veículo, no momento do acidente, uma pessoa pode sofrer diferentes impactos. Podemos avaliar quais são os possíveis traumas sofridos pelos ocupantes, analisando as deformações ocorridas no automóvel. Colisão dianteira • Impactos na cabeça, contra para-brisa, painel, volante, banco, etc. pode ocorrer lesão no couro cabeludo, na face, no crânio e no cérebro; NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 125 • Impactos no pescoço – pode ocorrer fratura ou deslocamento de vértebras; • Impactos no tórax – pode ocorrer fratura do osso esterno e de costelas, bem como algumas lesões no coração ou pulmão; • Impactos no abdômen – podem resultar desligamentos e rompimentos em órgãos como rins, baço e intestinos; • Impactos nos membros– contusões ou lesões múltiplas, como fraturas ou até esmagamento nas pernas. Colisão traseira Esse tipo de acidente pode acarretar problemas na cabeça, que vai para trás e depois para frente (“efeito chicote”). Se não houver um apoio para a cabeça, poderá haver alguns danos muito graves nessa região. Colisão frontal O condutor poderá ser jogado para frente (principalmente se não estiver usando o cinto de segurança) e tal impacto pode ocasionar traumatismos na cabeça, tórax e abdômen, além de fraturas nos membros inferiores. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 126 2-Atropelamentos Num atropelamento podem ocorrer três situações: - Impacto do veículo contra o quadril e as pernas do atropelado ; - Impacto do tronco da vítima contra i capô e o para-brisa do veículo; - Impacto do atropelado com o solo. Numa situação como essa, pode ocorrer uma série de lesões (poli traumatismo), que, no momento do socorro, devem ser muito bem avaliadas. VERIFICAÇÃO GERAL DAS CONDIÇÕES DA VÍTIMA Devemos identificar o tipo de acidente para determinar a origem e a natureza dos ferimentos. Para uma avaliação mais correta é fundamental saber: • A direção em que o veículo estava trafegando; • A intensidade do impacto; • Como o impacto afetou as vítimas. Em qualquer tipo de acidente é importante, ao realizar os primeiros socorros, fazer uma avaliação primária da vítima, verificando: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 127 • Vias aéreas; • Coluna cervical; • Circulação; • Nível de consciência; • Possibilidade de fraturas. 1- Parada cardiorrespiratória Utilizar as técnicas de respiração artificial e reanimação cardíaca. Abra a boca da vítima para retirada de prováveis corpos estranhos (secreções, pedaços de alimentos, dentes quebrados), tendo o cuidado de não fazer movimentos desnecessários com a coluna cervical. • Para essa manobra: firme a cabeça da vítima entre os joelhos ou solicite auxílio; • Projete o maxilar para a frente, agarrando-o firmemente e logo após para baixo. Essa manobra fará com que a boca se abra e seu interior possa ser visualizado, sem causar trauma de coluna cervical; • Retire da boca os objetos e prótese dentária, se houver; • Imobilize a coluna cervical, tendo o cuidado de não elevá-la e não colocar nada embaixo. Improvise um colar cervical; • Se não estiver respirando após a retirada do corpo estranho, NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 128 mas estiver com batimentos cardíacos presentes, devemos proceder da seguinte forma: • Fechar as narinas de vítima com o polegar e o indicador para o ar não sair; • Colocar sua boca na boca na vítima e, com firmeza, soprar até notar que o peito da vítima está levantando; • Deixar que o ar saia naturalmente; • Repetir quantas vezes forem necessárias. 2- Circulação • Verifique se o coração da vítima está batendo; • Utilize os dedos indicador e médio e apalpe a artéria carótida (no pescoço) ou a artéria femoral (na virilha); • Se ausentes os batimentos, proceda à ressuscitação cardiopulmonar (RCP) da seguinte forma: - Coloque as palmas das mãos, uma sobre a outra, em cima do peito da vítima; - Pressione energicamente o tórax da vítima; - Coloque o peso do seu corpo sobre suas mãos. Utilizando seu peso faça pressão para que o coração seja comprimido; NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 129 - Retire a pressão para que o tórax volte à posição normal; - Repita os movimentos a cada dois segundos. 3- Hemorragias Existem 3 tipos de hemorragia: • Hemorragia externa - É visível, pois o sangue verte para fora do corpo através de ferimentos; - Se uma artéria foi atingida (o perigo é maior), o sangue é vermelho e sai em jatos rápidos e fortes; - Se uma veia foi atingida, o sangue é vermelho escuro e sai de forma lenta e contínua. Como proceder • Aplicar curativo, gaze ou pano limpo; • Evitar trocar o curativo até a chegada de socorro especializado, colocando novos curativos sobre o anterior para aproveitar a coagulação; • Amarrar pano, atadura ou cinto por cima do curativo (verificar se não está atrapalhando a circulação); NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 130 • Se o sangramento persistir, comprimir a artéria mais próxima da região (veja ilustração); • Ferimentos pequenos - pressionar com o dedo para estancar o sangue (sem esquecer de usar luvas para a proteção do socorrista); • O membro ferido deve ficar em posição mais elevada em relação ao corpo; • Em situação de amputação é preciso fazer um torniquete para controlar a hemorragia e localizar a parte amputada para que esta possa ser levada com a vítima para o hospital; • Manter a vítima deitada, se possível. Nunca fazer • Tentar retirar corpos estranhos do ferimento; • Colocar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto . • Hemorragia interna • Ocorre em órgãos internos – pode levar o acidentado a um estado de choque. Como proceder • Deitar a vítima com a cabeça mais baixa que o corpo; • EXCEÇÃO: quando houver suspeita de fratura de crânio, de coluna NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 131 ou derrame. Nesses casos, a vítima deve ser mantida com a cabeça um pouco mais elevada; • Colocar bolsa de gelo ou compressas frias sobre o local afetado; • O atendimento médico deve ser urgente; • Evitar que a vítima tome líquidos. • Hemorragia nasal • É a causa por rompimentos dos vasos sanguíneos do nariz. Como proceder • Deixar a cabeça um pouco abaixada, para identificar a narina que está sangrando; • Pedir que a vítima respire pela boca e NÃO deixar que ela assoe o nariz; • Comprimir as narinas com os dedos (5 a 10 minutos); • Colocar compressas frias no nariz, na nuca e na testa; • Com a vítima inconsciente - fazer posição lateral de segurança (girar a vítima 90º, como se quiséssemos deixá-la deitada de lado); NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 132 4- Queimaduras • Queimaduras de Primeiro Grau: lesões em camadas superficiais da pele (doloridas e avermelhadas); • Queimaduras de Segundo Grau: lesões em camadas mais profundas (doloridas avermelhadas e com formação de bolhas); • Queimaduras de Terceiro Grau: desnutrição das camadas da pele (dolorida e desprendimento de partes desta); • É preciso identificar, afastar e controlar o elemento causador da queimadura, procurar imediatamente atendimento médico, verificar os sinais vitais da vítima, manter a área afetada úmida (com um pano molhado) sem remover as roupas que estejam grudadas na pele nem passar substâncias ou estourar as bolhas. 5- Avaliação neurológica • Se a vítima estiver consciente, pergunte o nome, telefone para contato, endereço, com o objetivo de avaliar se ela está respondendo com coerência. Exemplo: Que dia é hoje? É dia ou é noite? Onde você está? • Caso esteja inconsciente, abre os olhos dela e verifique as pupilas: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 133 • Pupilas normais: sem lesões neurológicas aparentes e oxigenação presente; • Pupilas diferentes: intensificar a avaliação, pois pode entrar em parada cardiorrespiratória; • As duas pupilas dilatadas: parada cardiorrespiratória há mais de um minuto. Também pode ter lesão neurológica. Iniciar m anobras de RCP (ressuscitação cardiopulmonar). AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA: Somente após completar todos os passos da avaliação primária é que se parte para a secundária, quando se deve fazer a inspeção da cabeça aos pés, de forma a observar a presença de alterações. 1-Estado de choque Esta é uma reação comum em vítima de acidentes com hemorragias internas ou externas. Dependendo do estado da vítima, pode ocorrer um estado de choque diferente: choque emocional, anafilático, térmico, cardíaco, etc. A perda de sangue e líquidos provoca o choque hipovolêmico, que é o tipo mais comum em acidentes. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 134 Sinais do estado de choque: • Pele fria e pegajosa; • Suor na testa e nas palmas das mãos; • Face pálida, com expressão de ansiedade; • Frio: a vítima queixa-se de sensação de frio, chegando a ter tremores; • Náuseas e vômito; • Respiração curta, rápida e irregular; • Visão nublada; • Pulso fraco e rápido; • Pode estar consciente ou não. Procure identificar a causa, deixando a vítima deitada, sempre com a cabeça mais baixa que o corpo. Afrouxe suas roupas, retire de sua boca, caso exista, prótese ou outros objetos, e mantenha sua respiração. Caso a vítima vomite, vire sua cabeça para o lado e procure agasalhala e protege-la. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 135 2-Desmaio • Deitar a vítima de costas em local ventilado (com as roupas frouxas) e com as pernas elevadas a um nível superior à cabeça; • Caso a vítima apresente desmaios consecutivos ou fique inconsciente, providencie assistência adequada; • Para evitar desmaios, após a identificação dos sintomas (palidez, suores frios e tonturas), sente a vítima com o corpo curvado para a frente e a cabeça entre as pernas para que ela possa respirar profundamente até que os sintomas desapareçam completamente. 3 - Convulsão tado de choque • A vítima de convulsão apresenta salivação, lábios roxos e contrações musculares involuntárias e descontroladas (desordenadas) durante alguns minutos de inconsciência; • Afaste objetos próximos e proteja a cabeça da vítima, mas não tente impedir os movimentos convulsivos; • Assim que eles cessarem conforte a vítima e coloque-a em posição lateral para dormir enquanto providencia assistência médica. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 136 4- Fraturas • Na coluna vertebral: não movimente a vítima. Nunca vire uma pessoa com suspeita de fratura de coluna. Observe sua respiração. Transporte em maca. Se a lesão for no pescoço, enrole ao seu redor, sem apertar, uma camisa, toalha ou outro pano, passando-lhe um cinto por cima, para mobilizar. - Tipos de fratura: • Fechadas: o osso quebrado não perfura a pele; • Expostas: a pele é perfurada pelo osso quebrado; • O socorro consiste apenas em impedir o deslocamento das parte s quebradas, evitando maiores danos; • Procure colocar talas sustentando o membro atingido. As talas deverão ultrapassar as articulações acima e abaixo da fratura; • Na fratura exposta, coloque uma gaze ou um pano limpo sobre o ferimento e proceda como na fratura fechada; • Nas luxações, proceda como no caso de fraturas fechadas. Se a luxação for no ombro, cotovelo ou punho, ponha o braço numa tipóia. NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS 137 5- Objetos encravados • Não retire o objeto encravado (madeira, ferro, arame, vidro, galho, etc.). A retirada pode provocar lesões nos órgãos e graves hemorragias, pois libera o ponto de pressão que está fazendo; • Proteja a área com um pano limpo, sem retirar o objeto, fixando-o para evitar movimentação durante o transporte. 6-Deslocamento de articulações • É a torção de uma articulação, com lesões dos ligamentos (estrutura que sustenta as articulações). Os cuidados são semelhantes aos da fratura fechada; • Evite transportar a vítima ou mesmo movimentá-la sem necessidade. Chame a ambulância e fique prestando o atendimento de acordo com a avaliação primária e secundária e as orientações recebidas; • Avalie a situação: só em casos em que não há como chegar socorro (local de difícil acesso e/ou sem telefone), e desde que tomadas as devidas providências em relação à segurança da vítima e imobilização adequada, é que se pode transportá-la; ou em casos em que não houver necessidade de uma ambulância (pequenas lesões), desde que avaliadas e que o transporte por carro comum não agrave a situação. TRÂNSITO E MEIO AMBIENTE TRÂNSITO E MEIO AMBIENTE 139 Existe uma realidade preocupante no que se diz respeito à poluição atmosférica e sonora dos grandes centros urbanos. Ela é decorrente, entre outros fatores, de: • Intensa circulação de veículos automotores; • Um processo contínuo e rápido de crescimento de frota; • Preponderância de veículos automotores como meio de transporte. A grande quantidade de veículos em circulação não só emitem poluentes e ruídos em seus locais de origem como também acaba levando esses poluentes para regiões mais afastadas, em virtude da mobilidade dos veículos e das correntes atmosféricas. POLUIÇÃO VEICULAR As principais causas de poluição veicular são: Projeto do veículo – como um veículo é projetado pode desconsiderar algumas variáveis de motor, sistemas de alimentação de ar e combustível, sistema de ignição e presença ou não de sistemas de controle de emissões de poluentes. TRÂNSITO E MEIO AMBIENTE 140 Essa desconsideração é uma das causas de poluição veicular, que gera os seguintes poluentes emitidos pelo escapamento dos veículos: • Monóxido de carbono; • Hidrocarbonetos - também conhecidos como combustível não queimado; • Óxidos de nitrogênio; • Óxidos de enxofre; • Material particulado ou partículas (fumaça preta); • Aldeídos. POLUENTES ATMOSFÉRICOS E SEUS EFEITOS NA SAÚDE 1- Monóxido de carbono • Diminui a oxigenação no sangue; • Causa tonturas e vertigens; • Alterações no sistema nervoso central. 2- Hidrocarbonetos • Irritam os olhos, nariz, pele e sistema respiratório; • Responsáveis pela incidência de câncer e pulmão. TRÂNSITO E MEIO AMBIENTE 141 3- Óxidos de nitrogênio • Aumentam as infecções respiratórias. 4- Óxidos de enxofre • Provocam coriza e danos irreversíveis aos pulmões. 5- Material particulado (fumaça preta) • Agrava quadros alérgicos de asma e bronquite. 6- Aldeídos • Provocam irritação dos olhos, nariz e garganta; • Os aldeídos emitidos por veículos a diesel e gasolina podem pro vocar câncer. COMO POLUIR MENOS Quem está pronto para colaborar com o meio ambiente e com a melhoria da qualidade de vida, além de ter bom senso, deve estar atento às pequenas coisas do seu dia-a-dia no trânsito. Observando as dicas abaixo, certamente você estará dando sua parcela de contribuição para que seu carro polua menos: TRÂNSITO E MEIO AMBIENTE 142 • Trocar de marcha na rotação correta; • Evitar reduções constantes de marcha, acelerações bruscas e freadas em excesso; • Evitar paradas prolongadas com o motor funcionando; • Usar o afogador somente no momento de partida, sem esquecer de desativá-lo; • Tentar manter a velocidade constante, tirando o pé do acelerador quando o semáforo fechar ou quando o trânsito parar à frente; • Orientar seus passageiros para que não joguem lixo, pontas de cigarro, latas ou qualquer objeto pela janela; • Fazer as manutenções/revisões recomendadas pelo fabricante; • Observar a “vida útil” dos componentes importantes no controle da poluição, como filtro de ar e óleo. Essas atitudes, além de melhorarem a qualidade do ar e evitarem acidentes, contribuem para que haja uma economia de 10% de combustível, velas e pneus. TRÂNSITO E MEIO AMBIENTE 143 LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO SOBRE O MEIO AMBIENTE LIXO “Usar o veículo para arremessar, sobre os pedestres ou veículos, água ou detritos” – art.171 do CTB. -Infração – média -Penalidade – multa Tenha sempre dentro do carro um saco plástico no qual possa jogar o lixo que você produzir. “Atirar do veículo ou abandonar na via objetos ou substâncias” – art.172 do CTB. -Infração – média -Penalidade – multa Fazer um passeio com a família ao ar livre é muito saudável, mas quando for embora não deixe restos de comida ou restos de fogo no local. Além disso, não moleste animais silvestres nem agrida a vegetação local, pois ambos são necessários para a preservação ambiental. TRÂNSITO E MEIO AMBIENTE 144 POLUIÇÃO SONORA “Usar buzina em situação que não a de simples toque breve como advertência ao pedestre ou a condutores de outros veículos; prolongada e sucessivamente a qualquer pretexto; entre as vinte e duas e às seis horas; em locais e horários proibidos pela sinalização; em desacordo com os padrões e frequências estabelecidas pelo CONTRAN’ – art.227 do CTB. Infração – leve Penalidade – multa Roncos de motor, escapamento aberto, buzinas estridentes, aparelhos de som no último volume, tudo isso significa poluição sonora. Lembre que os limites de ruídos, de dia e de noite, assim como em lugares especiais (hospitais, escolas), são regulados por lei. RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 146 Trânsito e Cidadania O homem é um ser social. Vive em grupos modificando-se e adaptando-se de acordo com suas necessidades e aspirações. Para que se torne possível a convivência harmônica entre os indivíduos, é necessário organização e respeito aos direitos e deveres individuais e do grupo. O comportamento do indivíduo é regido pelo consenso geral, abrangendo valores (sociais, morais, éticos, religiosos, etc.) que são determinados por normas de comportamento em todos os setores da vida. O trânsito é, sem dúvida, resultante das aglomerações humanas, tendo surgido o veículo justamente para facilitar o deslocamento, a comunicação e a interação entre os indivíduos e os grupos. Como eficiente meio de transporte, o veículo facilita o intercâmbio comercial e cultural entre os povos, propiciando um relacionamento mais intenso e contínuo, mesmo em distâncias maiores. Mas o convívio das pessoas nas vias públicas envolve uma série de fatores que, se não forem levados em consideração, acabam por tornar o trânsito violento e propenso a acidentes. RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 147 Problemas de relacionamento humano no trânsito Lembre-se sempre de que no trânsito você não está sozinho e as leis não foram feitas apenas para os outros, mas para você também. Grande parte dos problemas de relacionamento humano no trânsito ocorre devido a uma série de fatores, como: • Supervalorização da máquina: quanto melhor o veículo, mais direitos e menos deveres o condutor “acha” que tem; • Inversão de valores: o veículo como instrumento de força, vaidade e competição; • Falta de controle emocional do indivíduo: só os seus problemas e vontades contam e devem ser respeitados; • Egoísmo: falta de pensar em conjunto, só ele conta, os outros não existem; • Descaso a normas e regulamentos: a legislação de trânsito foi feita para os outros, não para mim; RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 148 • Falta de domínio aos impulsos indesejáveis: diz palavrões, faz gestos obscenos, acha-se o dono da rua; • Uso inadequado dos mecanismos de ajustamento: tentar dar um “jeitinho” para fugir às leis de trânsito; • Falta de planejamento – horário – percurso: tentando recuperar o tempo perdido, apressando ou perturbando os outros condutores; • Desconhecimento: não conhecendo as leis de trânsito, a sinalização e o seu próprio veículo, como poderá dirigir corretamente? • Desrespeito aos direitos alheios: sempre que você cometer uma infração de trânsito, estará ferindo direitos alheios. Dirigir ameaçando os pedestres que estiverem atravessando a via pública, ou os demais veículos, resulta em multa, suspensão do direito de dirigir, retenção do veículo e recolhimento do documento de habilitação, sendo considerado infração gravíssima – Art.170 do CTB. RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 149 Há nas vias públicas diversos tipos de motoristas O prepotente “Você sabe por acaso com quem está falando?”. O cara-de-pau “Eu bebi? Imagina, só estou um pouco alegrinho!”. O distraído “Eu estava a 110 km/h nesta rua? Gente, eu nem percebi!”. RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 150 O folgado “Ah, seu guarda, eu vou parar aqui rapidinho, segura essa aí!”. O simpático arrependido “Ah, seu guarda, me libera, vai, por favor, eu juro que não faço de novo!”. O falso consciente “Eu sei que o senhor está coberto de razão, mas eu avancei o sinal com o maior cuidado!”. RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 151 O nervosinho “Vocês estão querendo é ganhar dinheiro fácil. Só porque eu parei em cima da calçada?”. O injustiçado “Ah não! Todo mundo faz isso, o senhor vai multar logo a mim?”. Nas vias públicas também encontramos diversos tipos de pedestres O irresponsável - aquele que atravessa, por exemplo, embaixo da passarela. RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 152 O super-herói - aquele que disputa espaço com os veículos. O machão – aquele que, além de disputar espaço com os veículos, atravessa bem lentamente, atrapalhando o fluxo dos carros e achando que nada poderá lhe acontecer. O distraído – aquele que atravessa sem se preocupar com o movimento da via, concentrado em outra tarefa que está executando. RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 153 O apressadinho – aquele que quer aproveitar a pequena distância entre os veículos, só para ganhar alguns minutos. O desconfiado – aquele que vê o semáforo aberto, mas não tem certeza se terá tempo para atravessar quando decide passar, o farol fecha, mas ele acaba atravessando, prejudicando o trânsito e colocando sua vida em risco. E você? Que tipo de motorista você é? E de pedestre? Se você se encaixou em qualquer desses tipos, está na hora de rever suas atitudes no trânsito. Tanto os motoristas como os pedestres precisam conviver pacificamente, respeitando direitos e deveres alheios para que haja harmonia. RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 154 Interação social no trânsito Uma vez que o ser humano está em constante comunicação com o ambiente e com os indivíduos, é nesse relacionamento que ele encontra a sua realização e a satisfação de suas necessidades. O condutor do veículo automotor, o passageiro, o pedestre, o ciclista, o carroceiro, o catador de papel, etc., estão constantemente em processo de interação social. Comunicam-se, enfrentando problemas de trânsito (estacionamento, engarrafamento, horários a cumprir, problemas com o veículo), e fazem uso dos direitos e deveres comuns a todos. Atitudes para um trânsito mais humano O bom comportamento no trânsito, correto e educado, que promove a segurança e tranquilidade de todos, é resultante de boa educação do grupo em todos os setores da vida diária. Existem, porém, algumas atitudes que você pode incorporar ao seu modo de conduzir que farão com que o trânsito se torne mais humano, seguro e educado. Para tanto, além do conhecimento da legislação de trânsito, você precisa de bom senso: RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 155 • Ao invés de acelerar quando um condutor pede passagem, diminua a velocidade e deixe-o passar. Você não está disputando um lugar no pódio; • Em vez de trafegar lentamente pela esquerda, dificultando as ultrapassagens, mude de faixa, andando pela direita. Você também chega lá; • Em vez de invadir a via preferencial de outro condutor, aguarde um pouco mais. Freadas bruscas não são muito agradáveis; • Em vez de buzinar excessivamente no trânsito, mantenha a calma. Você conhece alguém que goste de buzina? • Em vez de mudar bruscamente de pista, confira antes o retrovisor e use as setas. Você não anda sozinho pelas vias; • Ao invés de correr na chuva, ignorando o risco da pista molhada, diminua sempre a velocidade. O aumento de acidentes, com o tempo ruim, não é mera coincidência; • Em vez de “esquecer” o seu carro em fila dupla, atrapalhando os outros, ande um pouco mais. Há sempre uma vaga livre adiante; RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 156 • Ao invés de ficar atrás de um carro que está indicando que vai virar a esquerda, ultrapasse pela direita. Esta é a única exceção á regra de ultrapassagem; • Em vez de carregar o capacete no braço, “use a cabeça”: segurança nunca é demais, e você ainda pode ser multado; • Ao invés de “furar” o sinal que acabou de ficar vermelho, aproveitando a lógica insensata de que “o pedestre espera”, pare o carro na faixa de retenção. O respeito ao próximo vem muito antes das leis de trânsito. Diante de todas essas possibilidades, vale também citar algumas realidades que encontramos no sistema de trânsito. • Segundo especialistas, a maioria dos motoristas (mais de 2/3) é de pessoas conscientes e que raramente cometem infrações ou se envolvem em acidentes; portanto, temos a minoria de motoristas ainda causando problemas no trânsito. RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO TRÂNSITO 157 São vários os fatores que levam os motoristas a terem ainda comportamentos inadequados: • Dificuldades de lidar com as pressões do dia-a-dia; • Traços de personalidade; • Educação; • Grande grau de ansiedade, angústia, frustrações, etc; • Ocasionalmente, todos nós podemos ficar sujeitos a algum distúrbio emocional, mental ou físico que pode alterar consideravelmente nossas atitudes no trânsito. O problema surge quando não conseguimos identificar que estamos vivenciando qualquer uma dessas situações. O importante é reconhecer nossos desequilíbrios e tomar consciência de que algo deve ser feito para mudanças de atitudes. Essa decisão requer honestidade e autocritica. Quando não conseguimos fazer essas mudanças por nós mesmos, devemos até pensar em procurar ajuda especializada. O que realmente não pode mais acontecer é transformarmos o trânsito, que é algo em que todos estamos inseridos, numa arena de guerra. No trânsito não existem vencedores, mas pessoas como eu e você, que devem sempre acreditar que a vida é um vem precioso e deve ser preservada – e que essa preservação depende muito de nós.
  3. CasaBlanca

    Ebook

    http://www.wilraj.xpg.uol.com.br/ap.ftp
  4. CasaBlanca

    Ebook

    Matemática Para verificar a dispersão entre os valores em um conjunto de dados, podemos utilizar duas importantes medidas: a variância e o desvio padrão. No estudo da Estatística, dispomos de algumas estratégias para verificar se os valores apresentados em um conjunto de dados estão dispersos ou não e o quão distantes um do outro eles podem estar. As ferramentas empregadas para que isso seja possível são classificadas como medidas de dispersão e denominadas de variância e desvio padrão.
  5. CasaBlanca

    Ebook

    A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas, será exercida pelo Congresso Nacional, mediante controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada Poder. Parágrafo único. Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária.
  6. CasaBlanca

    Ebook

    1º pagina Cidade (corredores da biblioteca) feliz com os super-heróis e pessoas, livros e bancos pessoas lendo. Fazer em perspectiva uma biblioteca com as colunas a frente colocar (bem vindo a Bibliotecópolis) estilo pilares gregos. Era uma vez uma cidade chamada Bibliotecópolis, essa cidade era feliz e encantada. Para que a cidade continuasse viva era necessário que a mesma fosse sempre visitada. Havia três pessoas: Escrita, Leitura e Conhecimento, eles tomavam conta das atividades do dia - a- dia, mantendo a cidade sempre cheia e alegre.
  7. CasaBlanca

    Ebook

    verbo fazer Presente do Indicativo eu faço tu fazes ele faz nós fazemos vós fazeis eles fazem Pretérito Perfeito do Indicativo eu fiz tu fizeste ele fez nós fizemos vós fizestes eles fizeram Pretérito Imperfeito do Indicativo eu fazia tu fazias ele fazia nós fazíamos vós fazíeis eles faziam
  8. CasaBlanca

    Ebook

    Como faço apra anexar um ebook aqui no forum do imasters sem utilizar link externo?
×

Important Information

Ao usar o fórum, você concorda com nossos Terms of Use.