Jump to content

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

João Prado

A revolução pelo Design

Recommended Posts

Segundo Marty Neumeier, consultor e autor dos livros The Brand Gap, Zag e The Designful Company, o designer é o profissional que possui as características necessárias para revolucionar a forma como o modelo do pensamento atual se estabeleceu, saindo da lógica da Planilha Eletrônica e da Linha de Montagem para uma visão holística, capaz de perceber o mundo de forma não-linear.

 

Imagem Postada

 

 

No livro The Designful Company, Neumeier afirma que, “se é a Inovação que origina a Diferenciação, é o Design que origina a Inovação”. Ele parte então para uma definição de design que ultrapassa os limites da forma e da estética, dizendo que até hoje, “a disciplina do Design tem sido relegada a um papel coadjuvante, confundida com um Salão de Beleza para identidades visuais e comunicação, ou como última etapa do processo de lançamento de um produto”.

 

Imagem Postada

 

 

Neumeier indica que o Design não é mais confundido com parafernália tecnológica como o iPod, o Nintendo Wii ou um carro Elétrico. O Design agora passa a conduzir inovação também em Processos, Sistemas e Organizações. O Design gera inovação; a Inovação reforça a Marca; a Marca constrói Fidelidade e a Fidelidade sustenta os Lucros.

 

Empresas genuinamente inovadoras são preferidas pelos consumidores. No livro, Neumeier usa como exemplo Steve Ballmer, CEO da Microsoft, que ficou famoso por um vídeo no qual ele fala sobre a Microsoft e grita “I Love this Company!”.

 

No caso da Apple, são os consumidores que gritam a frase. Isso explica porque a Apple está no topo da lista de marcas mais valiosas do mundo, bem à frente da Microsoft. A Apple usa o design como a semente de todos os seus projetos. Não são os produtos que “têm” design. É o design que resulta em novos produtos.

 

Imagem Postada

 

 

Neumeier segue citando Roger Martin, reitor da Rotman School of Management, da Universidade de Toronto, Canadá, que afirma que “para criar relevância, as empresas vão ter que fazer mais do que contratar designers. Elas terão que SER designers. Precisarão pensar como designers, sentir como designers e agir como designers.”

 

Os designers possuem uma capacidade inigualável de promover mudanças. O dia-a-dia de nossa profissão pode ser descrito como uma ininterrupta busca pela melhoria de uma dada situação. E não são somente os designers que agem desta maneira. Nós somos munidos de um ferramental para tangibilizar estas mudanças de forma mais visível.

 

Mas qualquer outro profissional pode ter uma abordagem “de design” em suas tarefas, até mesmo um médico. A séria House, do Universal Channel, retrata um médico que utiliza abordagens altamente inovadoras e não lógicas na busca pela resposta para os casos mais complicados da medicina.

 

Imagem Postada

 

 

Segundo Marty, os designers, no entanto, possuem algumas características muito favoráveis ao modo holístico de pensar do design: A empatia, a intuição, a imaginação e a ideologia. Essas são algumas das características que os diferenciam daqueles que utilizam o lado esquerdo do cérebro na elaboração de suas estratégias. Ao mesmo tempo, essas características os tornam seres estranhos ao mundo corporativo atual, ainda engajado na visão Tayloriana da Administração.

 

Muito em breve os executivos tradicionais perceberão que nosso Idealismo, que nos impele a sempre buscar melhorar o que está errado e oferecer o que está faltando, poderá ser usado como planta baixa para gerar novas alternativas de serviços e produtos.

 

Nossa Intuição, que nos permite resolver os problemas de forma não-linear e não-lógica, será considerada uma virtude e não um capricho. E, então, seremos promovidos de meros esteticistas a verdadeiros agentes da revolução do modo de pensar atual.

 

Livros de Marty Neumeier

 

The Designful Company – How to build a culture of nonstop innovation

 

Marty Neumeier

 

Editoras: New Riders e AIGA

 

Não foi lançado no Brasil ainda

 

 

Fonte

Share this post


Link to post
Share on other sites

Neumeier segue citando Roger Martin, reitor da Rotman School of Management, da Universidade de Toronto, Canadá, que afirma que “para criar relevância, as empresas vão ter que fazer mais do que contratar designers. Elas terão que SER designers. Precisarão pensar como designers, sentir como designers e agir como designers.”

 

A mais pura verdade.

 

Entretanto aqui no Brasil por exemplo encontramos problemas graves neste ponto, onde o Design acaba sendo visto apenas como uma "perfumaria" sem relevancia aos olhos de executivos cuja formação é tão antiga que na época sequer explicaram a importância do mesmo, acreditam que apenas uma boa administração de gastos é o resultado do sucesso... geralmente são empresas que tem um elo fraco com o consumidor, onde não há foco em aspectos sociais.

 

Recomendo o livro "Design para quem não é Designer", é um livro bobo que fala o básico (e acredito eu, foi projetado um pouco para secretarias e pessoas do tipo) mas este básico é a chave fundamental para explicar a um cliente a importancia e a diferença que um design faz. Recomendo para quem quer aprender a lidar melhor com um cliente e para pessoas que trabalham com publicidade/programação que querem começar a aprender sobre Design.

Share this post


Link to post
Share on other sites

×

Important Information

Ao usar o fórum, você concorda com nossos Terms of Use.