Jump to content
hyper_pixel

problema com orientacao

Recommended Posts

Estou com o seguinte problema, criei uma classe chamada robo, quando acesso com ajax pela primeira vez o arquivo com a classe, instancio ela, faco operacoes etc em um segundo acesso a instancia do robo nao existe mais e todas as configuracoes sao perdidas, ele fica zerado novamente.

Alguem sabe como resolvo isso?

Share this post


Link to post
Share on other sites

A primeira coisa que você precisa compreender é que em tecnologias server side, todo o estado de todas as instâncias é criado tão logo a aplicação receba uma requisição HTTP e destruído tão logo sua aplicação retorne a resposta. Esse é o comportamento esperado.

 

Compreendido isso, ou você propaga o estado, criando uma aplicação stateless - recomendável, mas bem complexo do ponto de vista de arquitetura -, ou você serializa seus objetos, salvando-os numa base ou em disco, memória, sessão, etc.

Share this post


Link to post
Share on other sites

'e um teste de um robozinho, e uma das obrigações usar na forma  aplicação stateless, eu pensei que dessa forma seria   stateless , apenas o sistema rodando com os dados do fluxo, nao imaginei que a cada requisição ela se perde, alguma dica de como resolver isso de forma rapida, pensei guardar o robo em uma sessao.

Alguma dica link, sobre  aplicação stateless   

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se você guardar o estado em sessão, a aplicação deixa de ser stateless.

 

Para você implementar algo stateless, você precisa fazer o client enviar todas as informações necessárias para a aplicação e a aplicação, por sua vez, retornar todos os dados necessários para que o client possa compreender. Todas as requisições e todas as respostas precisam ser completas e independentes.

 

 

  • +1 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Projeto
Instruções
Desenvolva e teste o software abaixo em qualquer linguagem de sua preferência, utilizando as técnicas que julgar interessantes para resolver o problema. Não é uma necessidade trabalhar com persistência de dados (na verdade, não é recomendável), todo o software pode ser considerado stateless com seu ciclo de vida se iniciando no input do padrão de buscas e terminando na conclusão final de sucesso da missão.
Escopo
Você está desenvolvendo uma aplicação para controlar remotamente um robô prospector de petróleo. O robô funciona da seguinte maneira:
 Em um dado momento, o robô se encontra em 1 de 4 estados possíveis:
o Pronto: O robô pode receber uma nova tarefa e realiza-la imediatamente.
o Ocupado: O robô se encontra executando uma determinada tarefa e não pode receber novas tarefas.
o Recuperando: O robô não está executando nenhuma tarefa, mas já pode receber a próxima tarefa que irá executar após o período de recuperação.
o Cheio: O compartimento de petróleo do robô está cheio e o mesmo não está mais apto para serviço. Isto ocorre após 5 extrações bem sucedidas de petróleo.
 O robô pode receber diversas tarefas, em especial para este teste, as seguintes tarefas são necessárias:
o (A)ndar: O robô anda por 15 segundos para uma localidade não explorada.
o (P)rocurar: O robô procura petróleo por 25 segundos no local atual. A chance de encontrar petróleo é de 50% após os 25 segundos.
o Extrair: O robô extrai petróleo da área atual por 30 segundos. Para efeito deste exemplo, uma extração sempre é bem sucedida pois só deve ser ordenada após um sucesso em uma ação de “procurar”.
 Por limitações de projeto, o robô não é uma entidade inteligente capaz de tomar decisões por si só e, todas estas devem vir de um ou mais centros de comando. O software do centro de comando pode receber como input um padrão de buscas para enviar para o robô executar. Exemplo:
o A A P P A A A P  O software enviará para o robô as ordens de “andar”, “andar”, “procurar”, “procurar”, “andar”, “andar”, “andar” e “procurar”
 O software do centro de comando deve ordenar que o robô realize extração de petróleo sempre que uma operação de buscar o encontrar.
 A missão do robô deve ser considerada um sucesso se, após executar o script de buscas, o mesmo estiver em um estado “Cheio”.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Okay; você está diante de uma FSM - Finite State Machine, ou máquina de estados finita, ou autômato finito. É trabalho de faculdade?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Foi e não foi erro seu, @hyper_pixel; veja:

 

12 minutos atrás, hyper_pixel disse:

Desenvolva e teste o software abaixo em qualquer linguagem de sua preferência, utilizando as técnicas que julgar interessantes para resolver o problema.

 

A descrição do problema deixa claro que você pode utilizar qualquer linguagem e quaisquer técnicas que julgar apropriado. A linguagem PHP é adequada para resolver o problema; o paradigma orientação a objetos é adequado para resolver o problema; o erro está na escolha da web para resolver o problema. Não que não seja possível fazê-lo via web, mas quando você fez essa escolha, você se deparou com a questão da destruição das instâncias no instante da resposta do servidor.

 

Se quer trabalhar com PHP e com orientação a objetos, primeiro compreenda que você está desenvolvendo uma FSM; compreendido isso, crie um mapa de estados, definindo o estado inicial, a transição para cada estado válido e cada ação de cada um desses estados. Isso pode ser feito com um Diagrama de Estado. Feito isso, você terá uma visão do robô para implementá-lo.

 

:smile:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

  • Similar Content

    • By Rodrigo5468
      Boa tarde a todos.
       
      Estou desenvolvendo um sistema de registro para fins de estudos, mas tenho algumas dúvidas e dificuldades até. Estou usando "programação orientada a objetos", e quero validar alguns campos do meu registro, se puderem me auxiliar, será de grande ajuda.
       
      Meu Diretório:
      Projeto1/ ├── backend/ │ ├── classes/ │ │ ├── Register.php ├── index.php Em Register.php tenho o seguinte código para fazer a validação, mas acredito que estou fazendo algo de errado.
      public function setUsername($username) { $sql = "SELECT * FROM $this->table WHERE username = :username"; $stmt = Database::prepare($sql); $stmt->execute(array('username' => $_POST["username"])); if(empty($_POST["username"])) { return "O campo usuário não pode ser vázio."; }elseif(ctype_space($_POST["username"])) { return "Não pode usar apenas espaços no campo de usuário."; }elseif(strlen($_POST["username"] < 3)) { return "É necessário no mínimo 3 (três) caracteres no usuário."; }elseif(strlen($_POST["username"] > 15)) { return "O máximo é de 15 (quinze) caracteres no usuário."; }elseif(preg_match("/^[a-zA-Z0-9]*$/", $_POST["username"] == 0)) { return "O nome de usuário só pode conter letras e números. (sem espaços e sem caracteres epeciais)"; }elseif($stmt->num_rows !== 0) { return "O nome de usuário já está cadastrado em nossos bancos de dados."; }else { $this->username = $username; } } E no index.php tenho o seguinte código, acredito que está certo, mas eu gostaria de mostrar as mensagens de erros que estão no Register.php, como que posso fazer isso?
      $register = new Registers(); if(isset($_POST["cadastrar"])) { $username = $_POST["username"]; $email = $_POST["email"]; $password = $_POST["password"]; $register->setUsername($username); $register->setEmail($email); $register->setPassword($password); if($register->insert()) { return "Usuário cadastrado com sucesso."; } }  
       
      Obrigado pela atenção!
    • By dayenne
      Galera então é o seguinte, tenho um trabalho da faculdade para fazer porém ainda não entendo quase nada de java, to meio perdida no trabalho.
      o trabalho propoe que eu faça uma agenda de contatos, onde eu possa armazenar contatos, excluir contatos, pesquisa-los, edita-los, tudo isso usando 
      arquivos txt, porém não consigo de jeito nenhum sair da estaca 0, queria que você me orientasse melhor para que eu consiga flluir melhor os codigos.
       
    • By kalua
      Olá galera, eu estou tendo um problema que está me aflingindo muito, nunca vi algo assim, eu estou desenvolvendo algumas classes para trabalhar com WordPress e estou usando Output Buffering para gerar as saidas dos meus templates em meus plugins, porem, estou enfrentando um problema quando tento executar um método render de um mesmo tipo, o que acontece é que o PHP me retorna uma string vazia apos a chamada da primeira instancia.
       
      View.php:
      <?php namespace App\Core; class View { /** * Renderiza uma view * @param string $path * @param array $data */ public static function render($path, $data = []) { ob_start(); extract($data); include_once ROOT_PATH . '/views/' . $path . '.php'; return ob_get_clean(); } } Input.php
      <?php namespace App\Core\Fields; use App\Core\Field; use App\Core\View; class Input implements Field { ... public function render() { return View::render('fields/input', [ 'key' => $this->getKey(), 'label' => $this->getLabel(), 'type' => $this->getType(), 'value' => $this->getValue() ]); } } O código client:
       
      $f1 = new Input('athlete_address', 'Endereço', 'text'); $f2 = new Input('athlete_birthdate', 'Data de nascimento', 'date'); $f1->render(); // Retorna saida normal $f2->render(); // Retorna string vazia Porém se eu fizer assim...
      $select = (new Select('athlete_category', 'Categoria')) ->addOption('Open', 'Open') ->addOption('Master', 'Master'); $f1 = new Input('athlete_address', 'Endereço', 'text'); $f2 = new Input('athlete_birthdate', 'Data de nascimento', 'date'); $f1->render(); // Retorna saida normal $f2->render(); // Retorna string vazia $select->render(); // Retorna saida normal Codigo da classe Select.php
      <?php namespace App\Core\Fields; use App\Core\Field; use App\Core\View; class Select implements Field { public function render() { return View::render('fields/select', [ 'key' => $this->getKey(), 'label' => $this->getLabel(), 'options' => $this->getOptions(), 'value' => $this->getValue() ]); } } As classes Input.php e Select.php compartilham de uma interface comum, porem quando eu tento renderizar uma segunda instancia de Input o que eu recebo é uma string vazia, o que pode ser isso?
    • By Gabriel Heming
      Muitas vezes durante o desenvolvimento em orientações a objetos, tive problemas usando coleções de objetos, principalmente quanto a integridade.

      Veja o exemplo de uma Pessoa que possui uma lista de Contatos.

      Aqui vemos a implementação simples de uma classe Pessoa com uma lista de contatos (demais métodos foram omitidos para simplificação):
      class Pessoa { private $contatoList = array(); public function setContatoList(array $contatoList) { $this->contatoList = $contatoList; } public function getContatoList() { return $this->contatoList; } } E, agora, nossa entidade de contato:
      class Contato { const EMAIL = 1; const TELEFONE = 2; private $contato; private $tipo; public function __construct($contato , $tipo) { $this->contato = $contato; $this->tipo = $tipo; } } Com nossas entidades implementadas, vamos usufruir de suas funcionalidades:
      $contatoList = array(); $contatoList[] = new Contato('(54) 9999-9999' , Contato::TELEFONE); $contatoList[] = new Contato('email@provedor.com.br' , Contato::EMAIL); $pessoa = new Pessoa(); $pessoa->setContatoList($contatoList); var_dump($pessoa->getContatoList()); Saída:

      Dessa forma implementamos rapidamente uma classe simples Pessoa com sua lista de Contatos. Entretanto, não é possível adicionar apenas um contato para a lista já existente e nem podemos garantir a integridade dos dados (algo muito importante na orientação a objetos). Veja Só:
      $contatoList = array(); $contatoList[] = new Contato('(54) 9999-9999' , Contato::TELEFONE); $contatoList[] = new Contato('email@provedor.com.br' , Contato::EMAIL); $contatoList[] = 'meu email é email@provedor.com.br'; $pessoa = new Pessoa(); $pessoa->setContatoList($contatoList); var_dump($pessoa->getContatoList()); Saída:
      Como podemos ver na saída acima, tivemos um falha na integridade da lista. Foi permitida a inserção de item que não é um contato, apesar de "parecer ser um".

      Como podemos garantir que sempre será inserido um Contato na lista de usuários e poder adicionar um usuário existente a lista de contatos?

      Vamos mudar um pouco a implementação da classe Pessoa:
      class Pessoa { private $contatoList = array(); public function setContatoList(array $contatoList) { /** verificar se existe algum elemento que não é do tipo contato **/ $callback = function($row) { return !$row instanceof Contato; }; if(array_filter($contatoList , $callback)) { throw new \RuntimeException('Somente valores do tipo Contato são permitidos'); } $this->contatoList = $contatoList; } public function getContatoList() { return $this->contatoList; } } E vamos ao novo teste:
      $contatoList = array(); $contatoList[] = new Contato('(54) 9999-9999' , Contato::TELEFONE); $contatoList[] = new Contato('email@provedor.com.br' , Contato::EMAIL); $contatoList[] = 'meu email é @provedor.com.br'; $pessoa = new Pessoa(); try { $pessoa->setContatoList($contatoList); } catch (\RuntimeException $exception) { echo $exception->getMessage(); } Saída:
      A lógica é simples, sempre que algum item da lista não for um Contato, o array retornado por array_filter será maior que zero. Nesse caso, será lançada uma exceção informando que a lista não está correta.

      Ok, garantimos, por enquanto e sem minha total satisfação, a integridade de adicionar apenas listas que contenham apenas contatos. Deixarei a implementação da lista parada por enquanto e vamos implementar a funcionalidade para adicionar um contato a lista já existente.
      class Pessoa { private $contatoList = array(); public function setContatoList(array $contatoList) { /** verificar se existe algum elemento que não é do tipo contato **/ $callback = function($row) { return !$row instanceof Contato; }; if(array_filter($contatoList , $callback)) { throw new \RuntimeException('Somente valores do tipo Contato são permitidos'); } $this->contatoList = $contatoList; } public function addContato(Contato $contato) { $this->contatoList[] = $contato; } public function getContatoList() { return $this->contatoList; } } Implementamos o método, na classe pessoa, para permitir que possamos adicionar apenas um contato a lista já existente, vamos ao teste:
      $contatoList = array(); $contatoList[] = new Contato('(54) 9999-9999' , Contato::TELEFONE); $pessoa = new Pessoa(); try { $pessoa->setContatoList($contatoList); } catch (\RuntimeException $exception) { echo $exception->getMessage(); } $pessoa->addContato(new Contato('email@provedor.com.br' , Contato::EMAIL)); var_dump($pessoa->getContatoList()); Saída:
       
      Ok, ok e ok. Está funcionando da forma esperada. Mas esse código não está, como diria Kent Beck, "fedendo"?

      Vamos a alguns pontos:
      - Por que a classe Pessoa está validando a lista?
      - Por que a classe Pessoa está implementando um método de lista?
      - Por que meu café... digo... por que a classe Pessoa está assumindo essas responsabilidades?

      A resposta é simples, o PHP não implementa nativamente essa integridade.

      A partir de então, e com muita pesquisa, percebe-se que é necessário implementar esta integridade. Neste momento partimos para o design pattern Iterator. Para que quiser saber mais sobre o Iterator como um Design Pattern, sugiro a leitura deste tópico.

      Vamos a implementação da classe generalizada para coleções. Classe a qual será nossa base para qualquer implementação de coleções de objetos.

      Obs: Essas implementações fazem parte do meu TCC da Pós e implementadas sobre o namespace Harbinger, nome o qual utilizo para o desenvolvimento das minhas API/Plugins e framework de estudos.
       
      namespace Harbinger\Iterator; /** * @author Gabriel Heming <gabriel.heming@hotmail.com> * @package Harbinger\Iterator **/ abstract class Collection implements \Iterator { /** * @var Object[] **/ protected $object = array(); /** * @var int **/ private $pointer = 0; /** * @var int **/ protected $total = 0; /** * add an Object into collection * @param Object $object * @return $this * @throws \UnexpectedValueException If Object isn't part of a object kind **/ public function add($object) { $class = $this->getTargetClass(); if(!$object instanceof $class) { throw new \UnexpectedValueException("This is a {$class} collection"); } $this->object[$this->total] = $object; $this->total++; return $this; } /** * retrieve the object from current position * @return Object * @throws \OutOfBound---ception If the collection not has any object **/ public function current() { if(isset($this->object[$this->key()])) { return $this->object[$this->key()]; } throw new \OutOfBound---ception("Index {$this->key()} not exists as a object index"); } /** * retrieve the current key * @return int **/ public function key() { return $this->pointer; } /** * move the pointer to next index position **/ public function next() { $this->pointer++; } /** * move the pointer to beginning **/ public function rewind() { $this->pointer = 0; } /** * check if the actual position is valid * @return boolean **/ public function valid() { return (isset($this->object[$this->key()])); } /** * return the object kind for collection * @return string **/ abstract public function getTargetClass(); } Dessa forma, desenvolvemos nossa base abstrata para a criação de uma coleção. Nossa abstração exige apenas uma implementação, o método getTargetClass. Este método é reponsável por informar qual objeto a coleção será responsável por manipular, não permitindo a inserção de nenhum outro tipo de objeto.

      A partir desse ponto, podemos prosseguir de duas formas: uma classe genérica para trabalhar com objetos especificados em tempo de execução ou uma classe especializada em um determinado tipo de objeto.

      Pois bem, vamos realizar das duas formas, iniciando com a nossa classe genérica:
      namespace Harbinger\Iterator\Collection; /** * @author Gabriel Heming <gabriel.heming@hotmail.com> * @package Harbinger\Iterator * @subpackage Collection **/ class Object implements \Harbinger\Iterator\Collection { /** * @var string **/ private $targetClass; public function __construct($targetClass) { $this->targetClass = $targetClass; } /** * {@inheritdoc} **/ public function getTargetClass() { return $this->targetClass; } } Vamos a modificação da classe pessoa:
      class Pessoa { private $contatoCollection; public function __construct() { $this->contatoCollection = new \Harbinger\Iterator\Collection(\Contato::class); } public function setContatoCollection(\Harbinger\Iterator\Collection $contatoCollection) { if($this->contatoCollection->getTargetClass() != $contatoCollection->getTargetClass()) { throw new \UnexpectedValueException( sprintf( "Expected a %s collection. %s given." $this->contatoCollection->getTargetClass(), $contatoCollection->getTargetClass() ) ); } $this->contatoCollection = $contatoCollection; } public function getContatoCollection() { return $this->contatoCollection; } } E o nosso uso:
      $contatoCollection = new \Harbinger\Iterator\Collection\Object('Contato'); $contatoCollection->add(new Contato('(54) 9999-9999' , Contato::TELEFONE)); $pessoa = new Pessoa(); try { $pessoa->setContatoCollection($contatoCollection); } catch (\RuntimeException $exception) { echo $exception->getMessage(); } $pessoa->getContatoCollection()->add(new Contato('email@provedor.com.br' , Contato::EMAIL)); foreach($pessoa->getContatoCollection() AS $contato) { var_dump($contato); } Saída:

      A implementação genérica está pronta e funcionando como o desejado. E caso eu tente utilizar uma classe que suporte outro tipo de objetos, teremos uma exception:
      $collection = new \Harbinger\Iterator\Collection\Object('Pessoa'); $pessoa = new Pessoa(); try { $pessoa->setContatoCollection($collection); } catch (\RuntimeException $exception) { echo $exception->getMessage(); } Saída:

      A nossa única baixa, neste tipo de implementação, é a necessidade de verificar o tipo de coleção adicionada a pessoa. Mas vamos a nossa implementação específica que resolve esse problema
      Neste caso, ao invés de utilizar uma coleção genérica, utilizarei uma coleção especializada para objetos do Contato.
      namespace Collection; class Contato extends \Harbinger\Iterator\Collection { /** * {@inheritdoc} **/ public function getTargetClass() { return \Contato::class; } Realizemos as modificações (ou exclusões) necessárias na classe Pessoa, class a qual ficará mais "enxuta".
      class Pessoa { private $contatoCollection; public function __construct() { $this->contatoCollection = new \Collection\Contato(); } public function setContatoCollection(\Collection\Contato $contatoCollection) { $this->contatoCollection = $contatoCollection; } public function getContatoCollection() { return $this->contatoCollection; } } E nossa utilização:
      $contatoCollection = new \Collection\Contato(); $contatoCollection->add(new Contato('(54) 9999-9999' , Contato::TELEFONE)); $pessoa = new Pessoa(); try { $pessoa->setContatoCollection($contatoCollection); } catch (\RuntimeException $exception) { echo $exception->getMessage(); } $pessoa->getContatoCollection()->add(new Contato('email@provedor.com.br' , Contato::EMAIL)); foreach($pessoa->getContatoCollection() AS $contato) { var_dump($contato); } Saída:

      Como está se tornando frequente, obtivemos exito quanto o sucesso da implementação.
      Uma classe específica nos da a vantagem de uma modelagem mais específica, utilizando o type hint da coleção necessária. Entretanto, nos gera granularidade, pois cada coleção especializada necessita de uma implementação e isso nos é traduzido através de uma nova classe.

      Voltando ao Iterator, estou sentindo falta de algumas implementações, por exemplo, Iterator não permite contar quantos objetos existem em sua coleção, veja:
      $collection = new \Collection\Contato(); $collection->add(new Contato('(54) 9999-9999' , Contato::TELEFONE)); $collection->add(new Contato('email@provedor.com.br' , Contato::EMAIL)); echo 'Quantidade de contatos: '.count($collection); Saída:

      Mas como 1? Se eu tenho dois elementos? Como podemos resolver esse problema?

      Para este fim, podemos utilizar a interface Countable. Para essa interface devemos implementar apenas um método denominado count. Vamos a implementação:
      namespace Harbinger\Iterator; abstract class Collection implements \Iterator , \Countable { /** demais métodos e propriedades omitidos **/ /** * retrieve the number of rows * @return int **/ public function count() { return (int)$this->total; } } E, agora, vamos novamente ao uso:
      $collection = new \Collection\Contato(); $collection->add(new Contato('(54) 9999-9999' , Contato::TELEFONE)); $collection->add(new Contato('email@provedor.com.br' , Contato::EMAIL)); echo 'Quantidade de contatos: '.count($collection); Saída:
       
      Neste momento, podemos contar quantos objetos nossa coleção possui.

      Uma outra implementação interessante, é a interface SeekableIterator. Essa interface define que podemos ir para qualquer registro em específico e não apenas iterar sobre nossa coleção. A interface SeekableIterator extende a interface Iterator, logo devemos substituir a interface Iterator e utilizar em seu lugar a interface SeekableIterator. Vamos a nossa implementação:
       
      namespace Harbinger\Iterator; abstract class Collection implements \SeekableIterator , \Countable { /** demais métodos e propriedades omitidos **/ /** * Seeks to a given position in the iterator. * @param int $position * @throws \OutOfBound---ception If an invalid position has been given **/ public function seek($position) { if (!isset($this->object[$this->key()])) { throw new \OutOfBound---ception("invalid seek position ($position)"); } $this->pointer = $position; } } Vamos a nosso teste recorrente:
      try { $collection = new \Collection\Contato(); $collection->add(new Contato('(54) 9999-9999' , Contato::TELEFONE)); $collection->add(new Contato('email@provedor.com.br' , Contato::EMAIL)); var_dump($collection->current()); $collection->seek(1); var_dump($collection->current()); $collection->seek(2); var_dump($collection->current()); } catch (\RuntimeException $exception) { echo $exception->getMessage(); }
      Saída:

      Com um pouco de implementação, conseguimos um grande avanço na integridade quanto a orientação à objetos. Outra interface interessante para se utilizar com Iterator é ArrayAccess que permite que objetos sejam acessados como arrays. Essa implementação, deixarei para os interessados :yes:

      No próximo artigo, quero demonstrar o uso de Iterator com dados retornados do banco de dados e a sua criação em tempo de execução.

      Dúvidas, sugestões e críticas são muito bem vindas!


      ------

      Código disponibilizado como pacote do composer:
      https://bitbucket.org/harbingerproject/iterator

      Para realizar a instalção do pacote, basta adicionar o repositório ao composer e adicionar como requerimento:

      composer.json
      { "repositories": [ { "type": "vcs", "url": "https://username@bitbucket.org/harbingerproject/iterator.git" } ], "require": { "harbinger/iterator": "^1.0.2", } } E rodar o comando composer install (pode ser executado em qualquer sistema operacional).
    • By laudirbispo
      Estou começando e tenho algumas dúvidas, sobre como implementar isso.
      Dúvida sobre a classe DAO, é melhor passar o objeto de conexão com injeção de dependência ou instância-lo no construtor?
       
      Qual seria a melhor abordagem?
×

Important Information

Ao usar o fórum, você concorda com nossos Terms of Use.