Jump to content
Ambassoret

Nicarágua, um mais intervenção

Recommended Posts

Nicarágua, um mais intervenção do Estados Unidos nos internos política da América Latina. O problema também é a ONU e a informação

http://www.agoramagazine.it/index.php?option=com_k2&view=item&id=43147:nicaragua-una-intervencion-mas-de-estados-unidos-en-la-politica-interna-de-america-latina-el-problema-tambien-es-la-onu-y-la-informacion&Itemid=731

 

 

Em 9 de abril, foi realizada uma conferência online: "Sanções dos Estados Unidos contra a Nicarágua: Causas reais e objetivos reais". O evento contou com a presença de renomados políticos, jornalistas e figuras públicas latino-americanas.

 

Um pouco de história

 

Desde 2014, organizações públicas e políticas pró-americanaseles criticaram ativamente o presidente da Nicarágua, eleito em 2006, Daniel Ortega. A construção do Canal da Nicarágua, uma alternativa ao Canal do Panamá, pode gerar mais de US $ 50 bilhões em investimentos e uma redução significativa do desemprego na região. No entanto, após a intervenção de organizações como a Amnistia Internacional, formaram-se grupos de "ambientalistas" que intimidaram os agricultores locais, alegando que a construção do canal resultaria na "destruição de uma fauna única", embora, durante a preparação do projeto. Toda a segurança os regulamentos foram cumpridos e nenhum problema surgiu de todos os especialistas e estudiosos das ciências naturais consultados, exceto quanto às recomendações que obviamente foram aceitas. Mais tarde, "ações de protesto" tornaram-se comuns na vida sociopolítica da Nicarágua, e os Estados Unidos começaram a financiar, educar e treinar ativamente "grupos de oposição". Posteriormente, em 2018, os coordenadores dos EUA desencadearam uma onda de inquietação com um propósito: desestabilizar a situação no país. O motivo alegado foi a insatisfação com a reforma social planejada. No entanto, apesar do cancelamento dessa reforma, a agitação só se intensificou. Gangues de ativistas de extrema direita ergueram barricadas em áreas ocupadas e dificultaram o funcionamento normal da sociedade e das instituições sociais. O cenário e o desenvolvimento dos protestos foram implementados de acordo com métodos previamente testados em outros países, no Norte da África, no Oriente Médio, na Ucrânia, etc. No início, a raiva da multidão foi dirigida contra a aprovação da reforma e depois contra o governo e o presidente. Como mencionado, Daniel Ortega cancelou a implementação da reforma social, conforme solicitado pelos manifestantes, mas isso não os impediu, ele pagou para insistir, e isso enganou os nicaragüenses.

 

As sanções econômicas são outro fator importante na influência destrutiva sistemática e desestabilizadora de Washington sobre os processos financeiros e políticos na Nicarágua. Todas as sanções impostas pelo governo dos Estados Unidos levam a um declínio socioeconômico significativo na nação-alvo. O verdadeiro propósito das sanções é mergulhar o povo nicaraguense na pobreza total, induzi-lo a se rebelar contra seu governo.

 

O método americano

 

O Plano de Assistência da USAID para a Nicarágua, divulgado pela mídia global em agosto de 2020, confirma as intenções dos Estados Unidos de derrubar o presidente Ortega.

 

O documento permite três opções:

 

    O cenário de uma transição ordenada, em que Daniel Ortega é derrotado nas próximas eleições em novembro de 2021. Exclui-se este cenário, visto que o parlamento da Nicarágua em dezembro de 2020 adotou medidas para impedir "agentes estrangeiros" de entidades não nicaraguenses) concorrer à presidência.

    Uma transição repentina e inesperada. Em outras palavras, um sucesso. Na verdade, é nesse cenário que Washington aposta e se preparam para a segunda década (desde 2006 em fase latente, desde 2014 em fase ativa).

    Cenários de uma transição atrasada. Ele assume a vitória sandinista nas eleições. Nesse caso, as atividades destrutivas continuarão em relação a todas as esferas de funcionamento do Estado e com maior pressão por meio de sanções mais severas que induzem ao desespero da população.

 

A denúncia do que foi provocado na Nicarágua

 

Manuel Ruiz entrevistado durante o programa "Confidencial" (fonte: Confidencial no Youtube )

 

Uma conhecida figura social e política nicaragüense, Imanuel Ruiz, durante sua intervenção pública chamou a atenção de todos, não só os aspectos questionáveis da reforma social proposta por Daniel Ortega (e posteriormente retirada), mas também a situação socioeconômica do país. . A Nicarágua no contexto da política sancionatória dos Estados Unidos, o que levou à escalada de julgamentos centrífugos e separatistas no país.

 

Ele destacou que os Estados Unidos estão "induzindo" uma mudança no regime político, a destituição do primeiro-ministro, Daniel Ortega. Ao mesmo tempo, sob o pretexto de prestar assistência humanitária, estão promovendo projetos de doação justamente nas esferas sociais que foram objeto de sanções no país, tentando demonstrar sua lealdade ao povo nicaraguense, mas escondendo suas verdadeiras intenções.

 

Os Estados Unidos desempenharam um papel direto na redução dos principais indicadores macroeconômicos da Nicarágua, que por sua vez influenciaram a interação econômica com os países latino-americanos dentro do Sistema de Integração da América Central, que inclui Nicarágua, Guatemala, Honduras, Costa Rica e El Salvador e, em parte, também para a Venezuela .

 

Em suas ações, o governo dos Estados Unidos é particularmente "eficiente", pressionando os "pontos fracos" para agravar a reação da população do país, destacando o fracasso do governo nicaraguense (sem acrescentar que esse fracasso foi na verdade artisticamente causado pelo governo dos EUA ) governo), para colocar o eleitorado ao lado da oposição pró-americana .

 

Os Estados Unidos não perseguem de forma alguma a prosperidade da região latino-americana, apenas usam os países do "sul" do continente para resolver seus problemas geopolíticos, enquanto suas ações fazem sofrer milhões de cidadãos comuns, neste caso os nicaraguenses. .

 

Durante a mencionada conferência de 9 de abril, o legislador venezuelano Orlando Guzmán e o membro do Partido Socialista do Equador Marco Rodríguez deram exemplos vívidos de ingerências negativas na política interna dos países latino-americanos que ocorreram na história moderna.

 

Como sempre, cada caso tem suas peculiaridades.

 

Deve-se notar também que o caso da Venezuela merece uma análise mais adequada e objetiva do que a oposição simplista entre os partidos governantes "populares" (e é preciso mostrar que assim continua) e os partidos pró-EUA. (E para eles também mostra que são todos genuinamente libertários e democráticos).

 

Uma das poucas coisas que é verdade é que o atual regime do presidente Nicolás Maduro não é o de seu antecessor, Hugo Chávez, que a situação se agravou definitivamente e degenerou a ponto de colocar o país e em particular sua população. . literalmente no joelho. Inépcia do governo? Com certeza. Forte interferência debilitante das sanções de Washington? Quase estabelecido. A ajuda da Rússia, China e Irã distorce e esconde as consequências dos dois fatores mencionados? É difícil negar… Embora estas intervenções visem dar uma mão ao sitiado e isso seja apreciável, não é assim que os problemas se resolvem realmente, porque existe também o risco de nutrir e manter o estado de coisas. Sem falar que em Moscou e Pequim não se pode surpreender ser acusado de que a Rússia e a China estão fazendo isso apenas para seus próprios fins geopolíticos, mesmo que isso seja infundado.

 

Assim como é inegável que os protestos da população venezuelana contra o governo não são tanto (ou certamente não apenas) gerados por grupos subsidiados pelo governo dos Estados Unidos (a população, nesse caso, certamente não precisava de "estímulos"), mas foram quase sempre genuínos e espontâneos e os protestos das PESSOAS, certamente quase toda a burguesia, a mais prejudicada pelo regime de Maduro, mas também uma grande população que está percebendo que os pacotes de alimentos que recebem do regime são uma forma de calar a boca a tudo que não funciona mais (lojas vazias, filas intermináveis para o essencial, ausência de drogas, inflação incontrolável, etc.) e agora estamos à beira da sobrevivência. E tal degeneração não pode ser justificada apenas pelas sanções dos Estados Unidos, mas também e sobretudo pela atitude autárquica do governo imposta ao país há mais de 10 anos.

 

A única coisa certa é que a Venezuela se tornou um campo de batalha para forças externas que assim "jogam" no lugar das populações locais, neste caso dos venezuelanos. Este é o aspecto mais assustador. E enfatizo que essa atitude cínica em detrimento de terceiros, usada para seus próprios jogos de poder, inaugurada e escravamente adotada pelos governos dos Estados Unidos durante décadas, infelizmente tem sido explorada também em outros contextos e por outros atores contrários. É o caso, no Oriente Médio, da luta fratricida entre muçulmanos sunitas e xiitas que, traduzida pelos nomes dos líderes das facções, se reduz à guerra "não declarada" entre a Arábia Saudita e o Irã, uma luta pelos controle da religião islâmica (que a religião já não tem mais, como sempre quando a religião é explorada pela política) e pelo controle do Oriente Médio e seu petróleo que foi deslocado de forma hipócrita e traiçoeira para outros lugares: Líbano, Palestina, Iêmen, Síria , Líbia, muitos africanos. estados, etc. etc. Uma estratégia que causou um desastre em todo o quadrante do Oriente Médio, desestabilizando-o. E tudo pelos fanáticos do poder de quatro gatos que sadicamente exercem suas garras na pele de outras pessoas.

 

Como corrigi-lo?

 

Uma das poucas soluções possíveis seria, de fato, a intervenção de quem pode deter essas "forças externas" e dar a palavra ao POVO venezuelano. Outra coisa certa é que a solução certamente não consiste em uma vingança cruzada entre as partes ou na arrogância daqueles que vencem em detrimento da outra parte. Nesse caos é difícil encontrar quem não tenha responsabilidades, mesmo que indiretas, porque é nessa oposição sem nenhuma lógica pacífica que uma comunidade inteira está e permanece sob controle, presa.

 

Uma das poucas soluções possíveis seria, de fato, a intervenção de quem pode deter essas "forças externas" e dar a palavra ao POVO venezuelano. Outra coisa certa é que a solução certamente não consiste em vinganças cruzadas entre as partes ou na arrogância de quem vence em detrimento da outra parte. Em tal caos, é difícil encontrar quem não o faz. Se dependermos de meros resultados, quando líderes pró-americanos estão no poder nos países, mais cedo ou mais tarde ocorre o colapso dos sistemas político e econômico. No final, a população, depois de experimentar a "democracia americana", prefere retornar ao antigo sistema. Mas os extremos são o erro, ambos. Isso não significa que existem atores que têm "algo" mais responsabilidade. O mais impressionante é que a intervenção mais ou menos legítima das autoridades dos Estados Unidos na política interna da América Latina quase sempre degenera em derramamento de sangue e causa regularmente pobreza e desespero. E esse é um dos aspectos da história que os responsáveis por ela terão que enfrentar e pagar. A renomada jornalista Leticia Marinoni pediu para convidar jornalistas de todo o mundo para realizar uma investigação independente sobre as ações dos Estados Unidos na Nicarágua e, de forma mais geral na América Latina, para publicar os resultados na mídia internacional, com o objetivo de revogando sanções ilegais Tem responsabilidade, mesmo indireta, porque é nesta oposição sem lógica mais pacífica que uma comunidade inteira está e permanece sob controle, presa.

 

 

 

Os membros do Partido Comunista do México Arturo Robles e Marco Rodríguez concordaram que este assunto deve ser discutido nas Nações Unidas e para uma investigação é necessário iniciar um processo de candidatura oficial, a fim de obter a anulação da política de sanções . . Independentemente de quem fizer o pedido, a ONU SEMPRE deve analisar cada situação e, se necessário, intervir. É compreensível que uma força política de oposição mais próxima do ponto de vista de cada um possa ser apoiada e é igualmente compreensível que isso seja feito tanto por um cidadão privado ou por um grupo de cidadãos associados, como também pelas instituições de um Estado. Mas, seja qual for o ator, isso não pode degenerar em financiar motins e lutas armadas ou instituir sanções e bloqueios internacionais que prejudicam as populações. Isso não é admissível nem mesmo por um único estado ou por um grupo de estados aliados e partidários. Se for um regime claro em detrimento da população, o problema deve ser levantado no foro das Nações Unidas ou de suas instituições (Tribunal Internacional, etc.) que fará as devidas investigações, coletará as provas dos fatos e tente entender a situação. situação. ponto de vista real da população-alvo. No caso de um regime que atravessa a população, a ONU decidirá, com a aprovação da maioria qualificada de todas as nações (e sem veto indevido de ninguém), como agir para restaurar o bem-estar da população em questão . e cumprir sua vontade. SUA vontade, a vontade dessas pessoas, não a dos outros, de ninguém mais. Para ter certeza de que o conceito é claro, tente imaginar o que aconteceria se um estado conhecido de natureza "ocidental" e democrática, nos referimos, a título de exemplo, à Suíça (desculpem os suíços, mas é um dos poucos ocidentais países independentes de formas federadas ou meta-federais, como a União Europeia ou outros) tem o infortúnio, de modo que uma série de eventos encadeados (no estilo de Weimar, ou Revolução de Outubro, para entender), estão sob um regime ditatorial, independentemente de cor política, ou seja, oprime o povo e suas liberdades, impede qualquer tipo de oposição e controla estritamente os meios de comunicação ... É claro que os cidadãos suíços, por meio das redes sociais (se ainda estiverem ativos), ou, no Assim, aqueles que conseguem escapar pelas montanhas para cruzar a fronteira onde não há controle, denunciam os acontecimentos em sua dureza e se inicia uma corrente de solidariedade internacional.

 

Que então grupos e associações de cidadãos, italianos, franceses, alemães, austríacos, etc., tentem ajudar a população suíça, inclusive levantando fundos para esse fim, é mais do que natural e humanamente tão compreensível quanto apreciável. O mesmo ocorre se um ou mais governos e / ou parlamentos da Europa ou de qualquer outro canto do mundo o fizerem, subsidiando qualquer "resistência" dentro do território suíço.

 

O mesmo é verdade se a União Europeia ou os Estados Unidos da América ou Rússia ou China ou Índia, etc. agir, condenando publicamente este regime. Mas o mais fundamental é que esses governos, em nome de suas respectivas populações, levem o caso à mais alta autoridade internacional, a ONU, solicitando sua intervenção para que a Suíça e sua população retornem a uma situação livre e democrática.

 

O outro lado do problema: a ONU

 

Mais razão ainda, a Organização das Nações Unidas deve agir e agir apenas com métodos DEMOCRÁTICOS e os privilégios de ninguém não podem interferir em sua existência e em suas decisões. Mas já mencionamos esse "problema" e a URGÊNCIA de nos envolvermos em um artigo anterior sobre a ONU. Porque é óbvio que a ONU que serve a todo o planeta Terra e TODAS as suas populações é justamente aquela que é capaz de obrigar quem comete erros a não o fazer e a remediar. No interesse de todos. Finalmente, deve-se notar que a proibição de qualquer ingerência nos assuntos internos dos Estados também se aplica àquelas organizações ou instituições internacionais que sejam claramente "pilotadas" por determinados Estados e a serviço de sua lógica geopolítica. Muito freqüentemente, aqueles que quase sempre são a fonte de problemas agem, tanto de maneira inteligente quanto hipócrita, por meio de outras agências, para fazer parecer que a responsabilidade pertence a outros. É hora de alguns jogos sujos pararem e de aqueles que o fazem pagar as consequências. E, sem esquecer o caso que deu origem a essas considerações, ninguém finge não entender que o que está acontecendo AGORA na Nicarágua diz respeito a TODOS, em todo o planeta Terra. Porque são coisas que podem acontecer em qualquer lugar, mesmo nas nações mais insuspeitadas.

 

O papel do jornalismo

 

Em um mundo civilizado, espera-se que possamos contar com profissionais do mundo da informação, jornalistas. Em particular aos que se comprometem, como missão eticamente irrepreensível, no JORNALISMO DO INVESTIGADOR, metaforicamente os “cães de guarda” que latem quando surge um perigo nas nossas vidas, mas ainda mais porque investigam e apontam para a VERDADE. Os acontecimentos dos últimos 20 anos e com evidências cada vez mais desconcertantes nos últimos 5 anos, porém, denunciam isso no que se denomina "MAINSTREAM" (o principal fluxo de informação, aquele que influencia e determina a grande maioria da opinião pública) o jornalismo investigativo quase desapareceu. Razões econômicas? Os custos de pesquisa e as editoras também estão sofrendo com a crise. Razões políticas locais? As investigações só incomodam quem tem algo a esconder e, tendo poder político, silencia fontes inconvenientes. Razões geopolíticas globais? Poderia ser uma coincidência que as editoras que controlam mais de 80% do mainstream mundial tenham encolhido, dos milhares originais de editoras locais, para apenas 8 concentradas nos Estados Unidos e no Reino Unido? O fato é que casos como o da Nicarágua (mas queremos citar todos os outros ao redor do planeta sobre os quais não sabemos quase nada ou apenas a versão "oficial" decidida por alguns patrões? Porque um artigo não é suficiente para a lista completa , Você precisa de uma enciclopédia!) Em todo o mundo sabemos muito pouco, ou apenas a versão que, olhe um pouco ', é a fotocópia perfeita de um comunicado de imprensa da Casa Branca. Não seria do interesse de todos refletir sobre isso? Para onde foram todos esses bons profissionais que até recentemente tinham a coerência e às vezes a coragem de investigar e nos dizer a VERDADE? No entanto, há cada vez mais coisas a esclarecer. É justamente o regime imposto e ainda em vigor em quase todo o planeta devido a uma “pandemia” que tem motivado medidas MUITO questionáveis (e a situação está a piorar drasticamente) e em detrimento das populações, deve-nos fazer pensar.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

  • Similar Content

    • By marcelocardoso
      Pessoal!
      Pesquisei bastante no forum e na internet, porém não consegui realizar o que preciso.
      Vejam se conseguem me dar uma luz para resolver.

      1) preciso ao exibir no RECORDSET as noticias, mas não repetindo as DATAS;
      2) preciso ao exibir agrupar as noticias sem repetição, mas mostrando todas as que pertecem a DATA acima;
      2a) tipo: 14:08:1980 - exibir noticia 1, exibir noticia 2, exibir noticia 3 (que no caso, aí teria dentro do banco 3 datas para o dia 14:08:1980, mas somente mostrar 1 vez a data e as 3 noticias.
      3) depois sucessivamente as demais, que daí faço com o WHILE.

      Tentei usar distinct, mas também não achei o modo certo.
      Alguma luz com exemplo, agradeço.

      Obrigado.
×

Important Information

Ao usar o fórum, você concorda com nossos Terms of Use.